Mês: setembro 2018

Backup de mensagens no Google Drive não é criptografado, afirma WhatsApp

Postado em

03100935641019-t1200x480

Na metade do último mês, o WhatsApp anunciou que entrou em acordo com a Google para que os backups de mensagens salvos no Google Drive não consumam espaço da franquia de cada usuário. A novidade é interessante, afinal permite a você salvar suas conversas sem ocupar os preciosos gigabytes oferecidos gratuitamente pela Google.

Contudo, uma outra informação é preciso ser levada em conta se você quer salvar as mensagens desta forma: elas não serão criptografadas — e quem confirma isso é o próprio WhatsApp na sua página oficial.

“Importante: arquivos de mídia e mensagens dos quais você fizer backup usando o Google Drive não ficam protegidos pela criptografia de ponta a ponta do WhatsApp”, registra a seção de perguntas e respostas sobre como realizar um backup usando o Google Drive.

Whatsapp

Desativar o backup de mensagens do WhatsApp no Drive pode ser uma saída.

Parece um tanto quanto contraditório que o WhatsApp ofereça a criptografia das mensagens como um de seus principais recursos e, ao mesmo tempo, “desproteja” as mensagens que ficam armazenadas no Google Drive. Entretanto, vale lembrar que o backup é visto como um recurso extra oferecido pelo serviço de mensagens, não como uma ferramenta central do app.

Talvez, a saída mais indicada seja, então, desativar o backup. Para fazer isso, acesse as configurações do WhatsApp e vá em Conversas > Backup de conversas > Fazer backup no Google Drive e selecione a opção “Nunca”.

FONTE: Tecmundo

Anúncios

Serpentes peçonhentas brasileiras

Postado em Atualizado em

 

11517543

As serpentes são animais pertencentes ao Filo Chordata, Classe Reptilia e Ordem Squamata. Possuem corpo alongado, desprovido de patas e recoberto por escamas; e a temperatura corporal varia de acordo com o ambiente, sendo, por isso, classificadas como animais ectotérmicos. Muitas são venenosas sem, no entanto, serem consideradas peçonhentas, já que esta classificação implica que tenham condições de inocularem este veneno.

“Em nosso país existem mais de 370 espécies de serpentes, distribuídas em dez famílias: Anomalepididae, Leptotyphlopidae, Typhlopidae, Aniliidae, Tropidophiidae, Boidae, Viperidae, Elapidae, Colubridae e Dipsadidae. Destes indivíduos, os pertencentes às famílias Viperidae e Elapidae são os peçonhentos. ”

Serpentes da família Viperidae são as jararacas, surucucus e cascavéis. Estas possuem fosseta loreal: um orifício localizado entre o olho e a narina da serpente, semelhante a uma narina.

cropped-bothrops-jararaca-da-seca-fosseta-loreal-pupila-vertical-1

 

O par de dentes para inoculação de veneno dos indivíduos desta família é longo, dianteiro e curvado para trás – se movimentando para frente no momento do bote; enquanto os demais são poucos e pequenos. Este tipo de dentição é chamado solenóglifa. Estes animais, assim como jiboias, salamantas e dormideiras, possuem a pupila com fenda.

Cascavéis possuem, no fim da cauda, uma estrutura semelhante a um chocalho. Surucucus, nesta região, têm escamas eriçadas e um pouco salientes. No caso das jararacas, a ponta da cauda é normal. Estas últimas também têm, como padrão para identificação, escamas com desenhos semelhantes a “v” invertidos, ou ganchos de telefone.

rabocobra

Serpentes da família Elapidae são as corais verdadeiras. Apesar de não possuírem a fosseta loreal, apresentam um padrão de cor característico: vermelho, preto e branco ou amarelo. A dentição é do tipo proteróglifa: dentes inoculadores dianteiros, fixos, pequenos e que pouco se destacam entre os demais.

micrurus_lemniscatus

OFIDISMO

O nome dado a acidentes envolvendo serpentes chama-se ofidismo. Em nosso país, a ocorrência anual destes eventos é de aproximadamente quinze casos a cada cem mil habitantes, com maior frequência nos meses quentes e chuvosos do ano. Medidas como: não andar descalço em ambientes propícios para ocorrência de serpentes, ter cuidado ao manipular lixo e entulho e manter quintais e casa limpos, são essenciais para evitar este problema.

Acidentes envolvendo jararacas são campeões no ranking: aproximadamente 90% dos casos. O veneno destas espécies tem ação inflamatória aguda (proteolítica), coagulante e hemorrágica, e pode provocar necrose. Já o das cascavéis é neurotóxico, e provoca visão dupla, dores musculares, urina de cor escura e dificuldades respiratórias. É o que apresenta maior letalidade, geralmente com morte causada por insuficiência renal. Surucucus apresentam veneno neurotóxico e coagulante, provocando braquicardia, hipotensão, diarreia e hemorragias. E, finalmente, o das corais verdadeiras, apresenta ação neutotóxica, provocando visão dupla, dilatação da pupila, dores musculares e insuficiência respiratória.

Em caso de acidentes, o indivíduo não deve fazer torniquetes e tampouco sugar o veneno. Lavar com água e sabão o local afetado, manter a região o mais imóvel possível e procurar imediatamente por auxílio médico, a fim de receber o soro antiofídico, são as medidas corretas.

Aprenda a identificar corretamente Serpentes Peçonhentas

FONTE:  Brasilescola  Youtube