Empresa gaúcha é pioneira ao buscar gerar energia através da gravidade

Postado em

Equipamento deve aproveitar a força da gravidade para gerar energia renovável sem que haja poluição ou aquecimento

Em meados de outubro, a empresa gaúcha RAR Energia concluiu a construção de um equipamento que pode mudar a maneira como geramos energia no mundo. Depois de passar meses divulgando anúncios misteriosos em Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro, a companhia revelou aos poucos o processo de montagem do motor com gerador que utilizaria a força da gravidade para criar energia renovável.

A empresa explica que a partir do sistema de moto-contínuo é possível aproveitar uma fonte inesgotável para criar energia sem que haja poluição no ambiente ou o aumento da temperatura do planeta. De acordo com o site da RAR Energia, esse é o primeiro equipamento com esse tipo de tecnologia no mundo.

“O sistema mecânico foi criado com uma concepção especial para captar e aproveitar a energia contida na gravidade do planeta, a qualquer momento e lugar, sem qualquer poluição ou calor. Esta tecnologia foi totalmente desenvolvida por nossa empresa e consiste, então, em um moto-contínuo, com sobra de energia para ser aproveitada, em um movimento mecânico, contínuo e eterno. Esta máquina tem semelhança com um motor à combustão, onde um conjunto de pesos representa o combustível e pistões, que acionam bielas conectadas a um virabrequim”, informa o site da empresa.

O diferencial desse tipo de tecnologia é justamente a versatilidade e a minimização dos efeitos causados no meio ambiente em comparação com as alternativas tradicionais de geração de energia. Mas, para obter resultados, o site Ciclo Vivo informa que a máquina desafia conceitos da física, como as leis da termodinâmica e a lei áurea da mecânica.

Fonte da imagem: Reprodução/RAR Energia

Além do motor instalado em Porto Alegre, o site da empresa mostra a construção de um equipamento nos mesmos moldes realizados na planta da Incobrasa Industries em Illinois, nos Estados Unidos. A RAR Energia informa que ambos os equipamentos utilizarão a gravidade do planeta em seu sistema mecânico e terão capacidade de gerar 30 kW.

Apesar disso, ainda não existe uma comprovação científica da eficiência da máquina. Em resposta ao site americano PESWiki, Renato Ribeiro, que é o presidente da RAR Energia, afirmou que “esse tipo de tecnologia de energia tem sido buscado há séculos, então é natural que as pessoas estejam céticas”. No entanto, o presidente garante que a tecnologia surpreenderá muita gente e que a patente do equipamento já foi solicitada.

Fonte da matéria

veja a montagem  do Equipamento

Anúncios

Estas 15 fotografias têm um valor histórico impressionante. Confira!

Postado em

As imagens que você vai ver a seguir ilustram passagens importantes de momentos particulares e sociais

Como você sabe, uma fotografia tirada no momento certo muitas vezes consegue expressar mais do que um longo relato. É exatamente o caso das imagens a seguir, totalmente emocionantes e cheias de significado. Confira:

1 – Libertação

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

Momento no qual prisioneiros judeus foram libertos de um campo de treinamento chamado “Trem da morte”, em 1945, perto do Rio Elba.

2 – Despedida

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

Eles são da mesma família, mas um vive na Coreia do Norte e o outro na do Sul. A foto, feita no dia 31 de outubro de 2010, registra o momento da despedida após um almoço entre familiares das duas Coreias. Na ocasião, 436 sul-coreanos tiveram permissão para passar três dias na Coreia do Norte para encontrar seus familiares, dos quais eles estavam separados desde a década de 1950.

3 – Reencontro

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

Um homem encontra seu cachorro depois do tsunami de 2011 no Japão.

4 – O beijo no asfalto

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

O australiano Scott Jones beija a namorada. A moça foi jogada ao chão por policiais durante manifestações populares no Canadá.

5 – Final feliz

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

Phyllis Siegel, de 76 anos, e Connie Kopelov, de 84, formam o primeiro casal do mesmo sexo a se casar no escriturário de Manhattan, em 2011.

6 – Tristeza

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

Em tempos de Segunda Guerra Mundial, este francês chorava ao saber que os nazistas tinham ocupado Paris.

7 – Ajuda

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

Durante um grande incêndio na região de Vitória, na Austrália, em 2009, este bombeiro parou para dar água a um coala.

8 – Amizade

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

A pequena Tanisha Blevin, de apenas cinco anos, segurava a mão de Nita LaGarde, 105, enquanto as duas eram retiradas das áreas de risco em Nova Orleans, depois da passagem do furacão Katrina.

9 – Saudade

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

Depois de servir no Iraque, Terri Gurrola reencontrou sua filha.

10 – Susto

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

Essa foi a expressão de Harold Whittles ao ouvir pela primeira vez na vida, depois de um implante auricular.

11 – Família

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

Um prisioneiro de guerra alemão foi liberto pela União Soviética e reencontrou sua filha, que tinha visto o pai pela última vez quando tinha apenas um ano.

12 – De longe

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

O astronauta William Anders fez esse registro durante a missão Apolo 8, em 1968.

13 – Abraço

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

Um tornado em março de 2012 destruiu a casa de Greg Cook, no Alabama. Felizmente, ele encontrou sua cachorrinha Coco, escondida no interior da residência.

14 – Falta

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

Irmãs posando para a mesma foto, em três períodos diferentes de suas vidas.

15 – História

Fonte da imagem: Reprodução/Thearcanefront

Soldado veterano russo se ajoelha diante do tanque que comandou durante a guerra e que agora é um monumento.

Fonte

Tá tudo errado! Veja 5 coisas que fazemos sem pensar que não estamos certos

Postado em

Lavar as mãos, fazer sexo e usar grampos de cabelo estão entre os itens analisados a seguir

Na escola você aprende a resolver problemas matemáticos e a conhecer limites geográficos, por exemplo. Daí passa por Química, Física, Biologia, Sociologia, Educação Física, Artes, Língua Portuguesa e por aí vai. Não há, contudo, uma disciplina chamada “Vida”, que teria uma ementa com a intenção de dizer o jeito certo de fazer todas as coisas.

Ainda bem, na verdade, que não existe isso. Assim, teoricamente, podemos fazer nossas escolhas, nossos acertos e erros. E é justamente por isso, por fazermos sempre as coisas do nosso jeito, é que algumas delas são feitas da maneira errada pela maioria das pessoas. Duvida? Confira alguns exemplos a seguir:

1 – Ensaboar partes do corpo

Fonte da imagem: Reprodução/msutoday

Se você acha que “quanto mais espuma melhor”, saiba que essa lógica não é válida. Sabonetes e detergentes contêm agentes químicos – os surfactantes – que ajudam a retirar a sujeira de sua pele. A espuma é o resultado da ação desses agentes com o óleo do seu corpo, as células mortas e as bactérias que você vai mandar pelo ralo. Não é preciso, portanto, que você use muito sabonete para produzir muita espuma. Isso é apenas desperdício.

2 – Dar à luz

Fonte da imagem: Reprodução/Lapresse

Só quem é mãe sabe e só quem é mulher consegue imaginar como é a dor do parto. O fato é que ter um filho deitada não é a melhor posição para a mãe, ainda que tenha se tornado a mais comum em vários países. Alguns estudos indicam que quem teve a ideia de fazer a mulher ficar deitada na hora de ter um bebê foi o Rei Luís XIV, que gostava de ver partos e teria ordenado que as mulheres ficassem deitadas para que ele pudesse ver tudo melhor.

Depois a posição de tornou convencional pelo conforto dado a todos os envolvidos no parto – exceto à mãe. A melhor forma de ter um filho é de joelho ou de cócoras, já que a gravidade vai ajudar, e a mãe vai precisar fazer menos força.

3 – Usar grampos de cabelos

Fonte da imagem: Reprodução/Samthebear

O item tão comum está presente no kit de beleza de quem quer deixar o cabelo bem preso. Agora nos responda: a parte ondulada do grampo fica para o lado de dentro ou de fora dos cabelos?

A maioria das pessoas diria que a parte cheia de ondinhas fica do lado de fora, certo? O que nem todo mundo sabe, porém, é que essa é a parte que deve ficar virada para o seu couro cabeludo – assim, seus penteado vai ficar mais firme ainda. Guarde essa dica, hein!

4 – Número dois

Fonte da imagem: Reprodução/Tirgumureseanul

O fato de atendermos nossas necessidades sentados não é uma boa ideia, sabia? Só isso já é suficiente para que você tenha mais chances de desenvolver doenças como hemorroidas e câncer.

Nossa natureza nos fez ideais para ficarmos de cócoras no momento de defecar. O vaso sanitário como o conhecemos é uma criação que tem em média 200 anos, o que é muito, muito pouco. Especialistas recomendam o uso de um banquinho para apoiar os pés, já que ficar de cócoras é difícil quando se pensa nos modelos de sanitários atuais.

5 – Fazer sexo

Fonte da imagem: Shutterstock

Como assim? Estamos fazendo sexo da maneira errada? É possível? Bem, antes que vocês nos joguem pedras, não é bem assim. O sexo está presente na lista por um motivo mais animal, digamos assim.

Você sabe, por exemplo, por que o tamanho do pênis do homem de hoje é maior do que dos homens de antigamente? Tudo começou com a mudança de postura: quando passamos a andar com duas pernas e a manter a coluna ereta, o corpo feminino sofreu mudanças em sua região genital, fazendo com que o pênis ficasse maior e conseguisse atingir seu “alvo”.

Outra curiosidade: homens sempre foram atraídos aos bumbuns das mulheres, já que essa parte da anatomia feminina sempre foi vista como um indicativo de saúde e disponibilidade. É por isso que o ato de ver uma mulher por trás deixa o homem excitado – é instintivo.

Quando já iniciado o ato sexual, a mesma posição é conhecida por dar grande prazer à mulher. Cientistas afirmam que essa seria, portanto, a melhor posição, a mais “correta”. Será?

Fonte

NASA pretende enviar sementes à Lua para produção de alimentos

Postado em

Projeto em parceria com a Google tem início programado para o ano de 2015

De acordo com o The Telegraph, a NASA pretende enviar sementes à Lua em 2015. Esta será a primeira vez na História em que a agência norte-americana mandará esse tipo de material ao espaço, e a iniciativa faz parte de um projeto que tem como objetivo desenvolver no satélite uma espécie de “hortinha” espacial.

As sementinhas — de agrião, nabo e manjericão — serão enviadas em recipientes chamados Lunar Plant Growth Chambers (ou Câmaras Lunares para Crescimento de Plantas, em tradução livre) que foram especialmente desenvolvidos para acomodar os vegetais. Esses receptáculos contarão com oxigênio suficiente para dez dias, permitindo que as plantas brotem e cresçam durante cinco dias.

Hortinha lunar

Fonte da imagem: Reprodução/NASA

Em vez de as sementes serem plantadas diretamente em solo lunar, elas serão semeadas em um filtro de papel enriquecido com nutrientes, e a germinação será induzida através da exposição à luz solar. O experimento visa testar a viabilidade de que, no caso de que se instalem bases lunares, os astronautas possam produzir seus próprios alimentos enquanto estiverem habitando o local.

O projeto também servirá para que os cientistas avaliem se algum dia será possível que formas de vida sobrevivam ao ambiente lunar. Conforme explicaram, se as plantas conseguirem suportar as condições de baixa gravidade e alta radiação do satélite, é bem provável que os humanos também consigam.

As sementes serão enviadas através de uma espaçonave comercial robótica que deve ser construída como parte de uma competição chamada Google Lunar X Prize. O experimento de enviar sementes à Lua é um enorme passo no sentido de pavimentar o caminho para que um dia os seres humanos possam viver e trabalhar na superfície do satélite e, quem sabe, até colonizá-lo no futuro.

Fonte

Saiba quais são 7 das pessoas mais inteligentes do planeta nos dias de hoje

Postado em

Eles são do Paquistão, Estados Unidos, Coreia do Sul e Hungria. Descubram quem são esses famosos figurões que são donos desses cérebros cobiçados.

Se você se acha inteligente, é melhor refletir um pouco depois de ler esta lista. A inteligência é algo que pode ser aprimorado no decorrer da vida de qualquer um, já que podemos deixá-la mais aguçada com diferentes tipos de estudos e muitas horas de dedicação.

Entretanto, para alguns afortunados, ela simplesmente está na genética. Alguns têm maior facilidade para aprender do que outros, ao passo que terceiros possuem uma aptidão excepcional para assimilar qualquer tipo de conteúdo. O site Top Ten Famous elaborou uma lista com algumas dessas raras pessoas (não estão necessariamente na ordem dos mais inteligentes). Confira:

7 – Fabiano Luigi Caruana

Fonte da imagem: Reprodução/Top Ten Famous

Fabiano é um italiano que mora nos Estados Unidos há anos, desde que ficou famoso por obter o título de Grandmaster, um dos nomes mais cobiçados e disputados entre os jogadores de xadrez. Na época, Fabiano só tinha 15 anos.

6 – Judit Polgar

Fonte da imagem: Reprodução/Top Ten Famous

Judit é de origem húngara, outra que também conquistou o título de Grandmaster (também só com 15 anos de idade!). Ela foi a primeira mulher a obter tal reconhecimento nos campeonatos mundiais de xadrez, além de ser considerada uma das pessoas mais inteligentes da Hungria.

5 – Michael Kevin Kearney

Fonte da imagem: Reprodução/Top Ten Famous

Esse americano é conhecido por ser um dos professores mais jovens do mundo. Com somente seis anos ele concluiu o ensino médio e, pasmem, se graduou no Tennessee com meros dez anos. Michael participou de inúmeros concursos de Lógica (e ganhou boa parte deles), e hoje é um excêntrico milionário.

4 – Moosa Firoz

Fonte da imagem: Reprodução/Top Ten Famous

Moosa Firoz é um paquistanês conhecido como “Embaixador da Matemática”. Com somente 13 anos, ele ganhou uma competição internacional de Matemática que possuía mais de 1,5 milhão de inscritos.

3 – Arfa Abdul Karim Randhawa

Fonte da imagem: Reprodução/Top Ten Famous

Essa garota paquistanesa se tornou funcionária da Microsoft aos nove anos de idade, considerada uma das maiores prodígios da computação. Bill Gates se encontrou pessoalmente com ela; infelizmente, ela faleceu em 2012.

2 – Stephen Hawking

Fonte da imagem: Reprodução/Top Ten Famous

Stephen Hawking é um dos físicos mais conhecidos e importantes do mundo. Ele é famoso pelas suas significativas contribuições nas categorias da Física Teórica. Seus estudos definiram grande parte dos conceitos da Física Moderna, rendendo-lhe inúmeros prêmios e medalhas.  Ele é portador de esclerose lateral amiotrófica (uma doença rara de paralisia muscular), porém esse fato não o impediu de produzir e estudar cada vez mais.

1 – Kim Ung Yong

Fonte da imagem: Reprodução/Top Ten Famous

Kim Ung Yong é considerado uma das pessoas mais inteligentes da atualidade. Ele foi admitido na faculdade com somente quatro anos (!) e obteve o doutorado com impressionantes 15 anos. É o homem com o maior QI da história do mundo moderno, com 210 pontos (o QI de alguém normal gira em torno dos 100 pontos).

Fonte Megacurioso

Conheça 10 sites que podem deixar você mais inteligente

Postado em

Fonte da imagem: Shutterstock

Pode parecer clichê, mas a internet está aí para derrubar fronteiras da informação. Atualmente, boa parte do conhecimento e técnicas que estariam escondidas dentro de livros pouco acessíveis está aberta na internet para consulta geral.

Às vezes ela está disponível em forma de cursos extremamente didáticos, ou então em forma de infográficos inteligentes. A lista a seguir, baseada no artigo do site Lifehacker, ensina até mesmo como melhorar sua velocidade de leitura. A maioria dos sites está em inglês. Confira:

Duolingo
A maioria dos sites descritos na lista são em inglês. Se você ainda não conhece o idioma, você está perdendo uma parte enorme do que a internet tem a oferecer, não só em conhecimento, mas também em relação a entretenimento. O Duolingo permite o aprendizado de Espanhol, Inglês, Alemão, Francês, Italiano e o Português, para quem é de fora em alguns meses, dependendo do empenho. Outras línguas devem ser acrescentadas ao longo do tempo.

Khan Academy [inglês]
Quer entender melhor algum assunto que não lhe é familiar? Este site pode ensinar várias disciplinas, desde o nível fundamental até o superior. São vários assuntos abordados, como matemática, ciência, história, entre outras. A plataforma também auxilia a registrar o progresso do seu estudo.

MIT Open Courseware [inglês]
Educadores do MIT, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts, uma das instituições de ensino mais respeitadas do mundo liberaram e organizaram informações e cursos onlines nesta plataforma aberta.

Information is Beautiful [inglês]
Às vezes, a melhor forma de entender uma informação é por meio de gráficos. O site é especializado no repasse de informações de forma bem visual, com excelentes infográficos. Simples e eficiente.

Spreeder
O site foi criado para ajudar as pessoas a lerem e assimilarem textos de forma mais rápida. Segundo ele, o motivo pelo qual lemos tão devagar é porque nossa “voz interna” precisa acompanhar a leitura, o que é algo muito lento. O Spreeder teoricamente acaba com esse problema, mostrando as palavras em um ritmo superior ao que essa voz consegue acompanhar, fazendo com que sua visão fique livre para assimilar a informação no ritmo que preferir. Basta colar um bloco de texto no aplicativo e definir a velocidade em que o texto será mostrado.

Codecademy [inglês]
Provavelmente o principal site quando o assunto é ensino de programação para leigos na internet. O Olhar Digital já fez uma matéria especial sobre a empresa há algum tempo e o site continua sendo uma forma popular de ensinar o beabá da programação para leigos e interessados. Inclusive, a promessa é de ensinar a programar em apenas um ano.

16. Lumosity [inglês/pago]
Jogos e ensino andando lado a lado. O Lumosity organiza uma agenda diária de games para melhorar o desempenho do cérebro em relação a velocidade, memória, atenção, flexibilidade e solução de problemas. O software também entende quais suas forças e fraquezas para ajudar a melhorar seu desempenho. Infelizmente ele é pago.

Coursera
Mais um excelente site com cursos diversos e gratuitos. Música? Está lá. Química? Também. Até medicina tem seus cursos. Alguns deles também estão traduzidos para o português, mas não são muitos.

Udemy
Se é especialista em alguma coisa, por que não repassar? A Udemy une pessoas dispostas a ensinar e outras interessadas a aprender alguma coisa. Alguns cursos são pagos, outros gratuitos. Até cursos de ioga podem ser encontrados, já que se trata de um espaço onde qualquer um pode ensinar aquilo em que é bom.

Wikipedia
Como falar de conhecimento na internet sem lembrar da Wikipedia? Com o devido cuidado para filtrar possíveis falhas, a enciclopédia livre mais conhecida na web pode ser a porta de entrada para todos os assuntos. Se o artigo não for confiável o bastante, sempre há os links de referência que oferecem uma base mais sólida para os temas.

Fonte

Hackeando o próprio corpo: biohackers inserem placas, ímãs e outros dispositivos em si mesmos

Postado em

Tim Cannon com o Circadia implantado em seu braço esquerdo, ainda com as suturas aparentes

Tim Cannon com o dispositivo Circadia, para medir a temperatura do corpo, implantado em seu braço esquerdo

Alguns passos antes da aprovação médica estão os biohackers. Parentes próximos dos modificadores corporais, os hackers do corpo estão interessados em não apenas vestir tecnologia, mas inseri-la dentro do próprio organismo para criar novas sensações e permitir o monitoramento de índices como batimentos cardíacos e temperatura. Os projetos desses biohackers ainda chocam bastante a sociedade, em especial porque são feitos de forma independente. Médicos não são autorizados a realizar procedimentos de modificação corporal a não ser que exista uma necessidade médica de fazê-lo, e sempre seguindo diretrizes aprovadas pelos conselhos de medicina de onde clinicam.

Tim Cannon, por exemplo, queria que as medições de temperatura do seu corpo fossem feitas de forma constante, gerando relatórios que permitissem que ele pudesse perceber a baixa do seu sistema imunológico e agir de forma preventiva. Para isso, ele inseriu em seu braço esquerdo uma caixinha com sensores, uma placa lógica e uma bateria que pode ser carregada via wireless. O kit completo se comunica com smartphones ou tablets, oferecendo a ele um relatório sobre a sua saúde, que pode ser inclusive utilizado por um médico para melhor avaliar a situação do paciente.

Como a prática ainda não é aprovada pela FDA – por uma série de motivos, inclusive o fato de que a bateria pode vazar no corpo de Cannon, e a dose de solução alcalina liberada por ela poderia ser fatal! – o biohacker precisou fazer o implante por conta própria, com ajuda de um profissional de Body Modification. As imagens são fortes para os mais sensíveis, pois mostram pontos ainda frescos e o dispositivo bem visível sob a pele, dando a impressão de que pode rasgar.

No vídeo abaixo, Cannon mostra o gadget sendo carregado. Caso não queira ver a pele do rapaz toda esticada, arroxeada e com pontos aparentes, é melhor não assisti-lo:

O kit é conhecido como Circadia 1.0, uma iniciativa de código aberto que promete revolucionar a forma como a tecnologia se integra com a ciência médica, e é implantado entre a pele e os músculos do biohacker. LEDs coloridos servem até para o deleite de Cannon, que se diverte iluminando a tatuagem que fica sobre o implante. A fabricação é feita pela Grindhouse Wetware, um coletivo de programadores, engenheiros e entusiastas do biohack que desenvolvem o equipamento com o objetivo de criar “dispositivos seguros, acessíveis, com tecnologia de código aberto”.

Na ponta dos dedos

Para saber mais sobre a iniciativa, o Tecnoblog conversou com alguns biohackers que também fizeram alguns implantes por conta própria, em uma modalidade mais branda, que se contenta com a inserção de imãs poderosos sob a pele, permitindo que os hackers sintam ondas eletromagnéticas. No geral, esses implantes são feito em algum dos dedos, e os biohackers alegam que passam a ter um “sexto sentido”, pois conseguem, por exemplo, perceber com o corpo quando um dispositivo eletrônico está ligado, devido à vibração.

Peyton e seu dedo com o ímã implantado, ainda com curativos

Peyton e seu dedo com o ímã implantado, ainda com curativos

Peyton Rowlands, de 19 anos, é um deles. Ele documentou em vídeo todo o processo do implante (assista se aguentar ver sangue e cortes, esteja avisado), feito por ele mesmo em casa, sem anestesia, submergindo o dedo em gelo por cerca de 20 minutos antes de realizar a incisão e posicionar o ímã de neodímio por sob a pele.

Sobre realizar o procedimento de forma independente, ele conta que fez uma extensa pesquisa sobre assepsia, para garantir que as chances de infecção fossem mínimas, e diz acreditar que não se trata de um procedimento invasivo o suficiente para ser muito perigoso. Em uma foto detalhando a incisão, que aparece um pouco avermelhada, ele explica que aquilo fora resultado de um “erro técnico”, pois ele removera um torniquete segundos antes do devido. Afinal, com conhecimentos teóricos de anatomia e pequenas cirurgias, não era mesmo esperado que tudo ficasse 100%, mas Peyton declara não se importar –  ele acredita que o implante lhe oferecerá uma nova opção sensorial, que permite compreender a tecnologia de uma forma sinestésica, por meio de campos magnéticos.

Caleb Nelson, de 20 anos, já está em um estágio mais avançado do que Peyton. Graduando em ciência cognitiva, ele tem um implante magnético em seu dedo há 10 meses, e diz que, como pesquisador, está muito interessado em entender como o cérebro incorpora novas sensações e informações sensoriais. “De um ponto de vista subjetivo, o que eu consegui melhorar bastante foi o meu entendimento de como o magnetismo funciona. Uma coisa é aprender sobre isso na teoria, e outra completamente diferente é ser capaz de estender a mão e efetivamente sentir campos magnéticos”, conta ele. Outra vantagem é conseguir saber se um dispositivo eletrônico está ligado sem precisar nem mesmo conferir a luzinha do LED – o dedo com o ímã de neodímio dá a dica de quando há ou não eletricidade circulando.

Aplicação na medicina

Pode parecer um experimento maluco, como se fosse uma nova modalidade de modificação corporal, mas o que esses biohackers estão tentando fazer pode ser uma realidade em breve. A doutora Ivone da Silva Duarte, pesquisadora e docente de cirurgia plástica do curso de medicina da Uninove, conta que apesar de não haver ineditismo na prática dos rapazes – afinal, inserir objetos debaixo da pele é algo que os praticantes de body modification já fazem há um bom tempo – existe sim potencial para o desenvolvimento de dispositivos subcutâneos para ajudar no monitoramento de pacientes, na administração de medicamentos de forma constante e controlada e até no armazenamento de informações sobre o perfil do paciente para o caso de ele ficar inconsciente. “Com a robótica e a nanotecnologia evoluindo cada vez mais, diferentes tipos de dispositivo poderão ser produzidos e implantados em curto espaço de tempo”, especula a doutora.

No entanto, vale frisar que os procedimentos executados por Caleb e por Peyton, sejam eles com assistência de um profissional de modificação corporal ou por conta própria, não são recomendados pelos médicos.  No caso de Cannon, ainda há o agravante da possibilidade de vazamento de componentes químicos. “O equipamento é de fabricação caseira, não dá pra ter garantia da qualidade do material, da vedação, durabilidade do produto e nem das baterias em particular. Há necessidade dos materiais serem compatíveis com o uso no corpo humano e atenderem a critérios de segurança”, lembra a médica. A inclusão de um material que não atenda às especificações de segurança dentro da medicina pode levar a infecções, que, se agravadas podem requerer a retirada do material. A cicatriz, no entanto, dificilmente desaparecerá.

Ciborgue oficial

Um paralelo interessante é comparar as iniciativas dos biohackers com o caso de Neil Harbisson, reconhecidamente um ciborgue. Neil implantou, com auxílio médico, um sistema que permite a ele ouvir um som para cada tipo de cor reconhecido pela câmera acoplada à sua cabeça. O tom musical de cada tonalidade é ouvido por Neil através de indução óssea, permitindo que ele, que é daltônico, passe a perceber o mundo em cores, ainda que ele “enxergue” apenas em preto e branco.

Neil Harbisson, reconhecidamente um ciborgue, com o seu Eyeborg

Neil Harbisson, reconhecidamente um ciborgue, com o seu Eyeborg

Neil provavelmente conseguiu enquadrar a sua necessidade de implante com as diretrizes médicas, pois a instalação do equipamento, apelidado de Eyeborg, foi feita em um hospital. Ele explica que não considera mais o equipamento algo “extra” em seu corpo, mas sim uma nova parte dele, pois o software de reconhecimento de cores e o seu cérebro passaram a trabalhar em conjunto, fazendo com que ele até mesmo sonhe em cores (ainda que cores musicais). “Nosso conhecimento vem dos sentidos. Se pudermos estender os sentidos, vamos consequentemente aumentar nosso conhecimento”, acredita o ciborgue.

Esse futuro de novas sensações e extensões tecnológicas do nosso corpo não parece muito distante. Você toparia implantar aí um upgrade na sua “máquina”?

Fonte da matéria